13 de fevereiro de 2012

Saco de Bebé

Precisava de um saco para transportar as tralhas do Miguel. Um saco grande suficiente para levar roupa para uma noite, por exemplo, mas suficientemente prático para levar apenas as fraldas, uma muda e a alimentação necessária para uma saída de algumas horas. Tinha um, oferecido pela Vertbaudet, que usei bastante com o Zé mas que, para além de não ser muito bonito, já tem o forro todo rasgado. Resolvi então tentar fazer um saco para mim, mas tinha de ser maior que a mala de fraldas que costumo fazer. Pensei bastante nos tecidos a usar e no formato e tamanho ideais, andei a ver outros sacos, e acabei por pegar no saco da Vertbaudet e tirar o molde. O tamanho é bom, o formato pareceu-me relativamente fácil de fazer. Claro que tirei uns pormenores e acrescentei outros, para ficar mesmo à medida daquilo que eu precisava...

Este é o saco que eu fiz:




Fiz dois bolsos com fecho de correr, um à frente e outro atrás, em vez do bolso grande com pala do outro saco. Estes bolsos são mais simples de fazer. Acrescentei duas argolas de velcro no topo para pendurar o saco no carrinho de passeio.


O exterior é em algodão, mas o interior é plastificado.



 Não dá para ver bem, mas o interior tem divisórias amovíveis, para organizar  melhor a tralha.


Tal como no outro saco, os bolsos laterais têm elástico e a alça é regulável.

Este saco não está disponível para venda, pelo menos enquanto eu não criar uma versão mais simples. É que deu-me um trabalhão a fazer, principalmente a finalizar... não conseguiria vendê-lo a um preço razoável. A versão para venda não terá seguramente o vivo de xadrez vermelho, que foi muito complicado de integrar, para além de outros pormenores dispensáveis.


E este é o saco da Vertbaudet:




Entretanto já ando orgulhosamente a passear-me com o meu saco, que faz conjunto com o saco-cama para o ovinho:




10 de fevereiro de 2012

Babetes...

Não gosto de babetes... percebo a utilidade, uso-os nos meus filhos quando são pequeninos para comerem sem se sujarem muito (embora nessa altura nem se sujem muito, precisam mais deles quando são mais crescidos... crescidos demais para usar babete!), tenho-os às dezenas, mas não gosto de ver os miúdos de babete o dia todo. Quando estão na fase de babar "com os dentes", e se estiverem em casa, de babygrow, tudo bem... até tolero. Dá jeito, pronto! Agora, vesti-los todos lindos, de calça de ganga e camisa de xadrez, para depois lhes pespegar com um babete de turco debruado a azul-cueca a dizer "Saturday" quando ainda vamos a meio da semana, isso não! Detesto...

Por acaso os meus dois mais velhos nunca foram muito de se babar, por isso o dilema do "ponho babete ou deixo-o babar-se e logo lhe mudo a roupa pela quinta vez na última hora" não me aconteceu com muita frequência. Agora este mais novo faz-me pensar nisso várias vezes por dia. Não é que se babe, ainda não chegou lá, mas bolsa como gente pequenina... e há dias em que dou por mim a trocar-lhe a roupa toda pela terceira vez quando ainda nem chegámos à hora de almoço.

Portanto, tive de ceder aos babetes. Em casa é pacífico, usa o babete de turco. Fora de casa a coisa é mais complicada, por isso resolvi pesquisar os tais babetes "tipo bandana" e experimentar fazer alguns para o pequenino. Não acho ideais, é um facto... mas é uma solução bem mais prática e gira do que o babete tradicional! Ora vejam:








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...